Mantendo a saúde mental em meio ao coronavírus

Confira abaixo as dicas do prof. Marcos Teles, do curso de Psicologia da Unileão.

17/04/2020 10:21 am - COMPARTILHE: - + Imprimir

O novo coronavírus (covid-19) apresenta uma realidade inédita que modificou a rotina da maioria da população no planeta. O afastamento de pessoas e o excesso de informações a respeito do assunto têm afetado a coletividade, que busca manter não só a saúde física, mas, sobretudo, a saúde mental.

Diante desse cenário, vários estados emocionais indesejados como ansiedade e tristeza podem surgir ou intensificar seus efeitos e, por isso, é preciso criar estratégias para lidar com a avalanche emocional e manter a saúde da mente.

O professor do curso de Psicologia da Unileão Marcos Teles oferece dicas para manter a saúde mental nesse período de isolamento, confira:

Cuide primeiro de si

Para o prof. Marcos Teles, antes de tudo, é importante entender que as realidades são diversas e que cada um passa por esse momento de pandemia de forma particular. Algumas pessoas estão na linha de frente no combate ao coronavírus e outras batalhando para passar por esse período com condições de saúde para retomar a vida após a pandemia. Por isso, é necessário focar em cuidar de si para conseguir, também, cuidar do outro.

Não se culpe

Muitas pessoas sentem medo e ansiedade diante do cenário de pandemia e na necessidade de isolamento social. Para o prof. Marcos Teles, pode-se dizer que isso é um processo de luto em virtude de diversos projetos que precisaram ser interrompidos, da saudade de lugares e de pessoas, bem como da falta de situações que valorizamos. “Não se culpe por isso, pelo contrário, perceba o que essas reações estão querendo comunicar”, orienta o docente.

“Há muitas pessoas que também estão relatando tristeza por não terem alcançado objetivos estabelecidos para esse período. Mas, não se culpe se você ainda não conseguiu aprender uma língua nova ou se ainda não conseguiu importar o life style da sua blogueira favorita. Talvez vocês tenham vidas, prioridades e necessidades diferentes”, conclui.

Estabeleça prioridades

A ansiedade, muitas vezes, se manifesta em momentos em que tentamos prever coisas que ainda não estão claras, conforme o prof. Marcos Teles. No entanto, enquanto o cenário continua desconhecido, você deve utilizar o seu tempo e energia para investir naquilo que pode te fazer bem. “Não é sobre anestesia da realidade, mas, sim, sobre manter o equilíbrio entre as prioridades atuais de cada um”, afirma.

O que você acha que, nesse momento, pode te trazer um pouco de bem-estar na dimensão do possível? “Questionar-se sobre as prioridades atuais e reconhecer o que é possível para cada um é, sobretudo, terapêutico”, acrescenta.

Informe-se com moderação

É importante que todos estejam bem informados e que acompanhem os desdobramentos sobre o tema, mas, também, é essencial equilibrar a quantidade e a qualidade de informações, filtrando as notícias.

“Reflita se, nesse momento, você precisa checar o feed de notícias a cada 30 segundos para descobrir a cura disso tudo que estamos passando. A inundação de informações pode nos tirar o fôlego”, afirma o prof. Marcos. Nesse sentido, uma dica é escolher apenas um período do dia para acompanhar os noticiários.

Use a tecnologia a seu favor

A tecnologia é uma grande aliada para amenizar o distanciamento social e vários aplicativos podem ser usados, por exemplo, para encontros on-line com amigos, familiares e colegas de trabalho. Continuar conectado com as pessoas que você gosta ajuda a manter-se alegre e driblar os sentimentos negativos.

Responda uma pergunta

Por fim, o prof. Marcos afirma que há uma reflexão que sempre será muito acertada ao tratar de saúde mental em tempos de pandemia e que pode te ajudar a conduzir esse momento: “O que você tem feito para cuidar de si hoje?”. E lembre-se: isso vai passar.

Compromisso com os processos de transformações sociais e promoção da qualidade de vida.


COMPARTILHE: