Saiba como cuidar da saúde do seu pet durante o período de isolamento social

Animais também podem sofrer com transtornos emocionais durante o período de isolamento social.

15/04/2020 12:52 pm - COMPARTILHE: - + Imprimir

Não há evidências ou comprovação de que animais domésticos, como cães e gatos, possam ter algum papel na disseminação da covid-19, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). No entanto, é essencial prevenir e tomar alguns cuidados para evitar qualquer risco à saúde dos pets durante o período de isolamento social imposto pelas medidas de combate à pandemia do coronavírus.

De acordo com o prof. Antônio Mota, do curso de Medicina Veterinária da Unileão, uma das atividades importantes que fazem parte da rotina do animal são os passeios diários, que durante o período de isolamento devem ser feitos em menor duração e frequência e com algumas restrições, sempre cuidando da assepsia do humano e do pet antes de entrar em casa.

As orientações para os passeios são:

  • Apenas uma pessoa da casa fica responsável pelo passeio;
  • Buscar locais ou horários menos movimentados;
  • Evitar o contato com outras pessoas e animais;
  • Manter a distância recomendada em relação a outras pessoas e animais;
  • Higienizar com água e sabão as patas do animal ao voltar para casa e lavar as mãos após o processo.

Com o isolamento social para combater os avanços da pandemia do coronavírus, os animais, assim como os humanos, podem sofrer com transtornos emocionais, como estresse, ansiedade e depressão. Por isso, os tutores devem ficar atentos às alterações de comportamento dos animais.

Fique de olho em alterações de comportamento como:

  • Mudança de hábitos: fazer necessidades fisiológicas em locais que não costumava utilizar para essa finalidade, passar a dormir pouco ou em excesso;
  • Automutilação:  lamber, morder ou arranhar o próprio corpo;
  • Agitação: ficar agitado e se tornar agressivo repentinamente, começando a morder, latir ou mostrar os dentes.

“Para minimizar esses sintomas é importante criar rotinas de atividades com o pet, estimulando brincadeiras dentro de casa para entretê-lo ou até mesmo quando sair com ele para passear, fazendo com que o pet diminua essa ansiedade. Mantê-los ativos também é essencial para evitar os casos de obesidade,” alerta o prof. Antônio Mota.

Atendimentos clínicos apenas em casos de urgência e emergência

Em relação aos atendimentos veterinários, o prof. Antônio Mota orienta que as pessoas busquem as clínicas somente em situações de extrema necessidade e que os serviços que não se encaixarem em urgência e emergência sejam reprogramados para evitar aglomerações e esperas, algo importante tanto para humanos quanto para os pets. Mas, caso necessário, o atendimento na clínica deve ser preferencialmente agendado e com a presença de apenas um responsável.

Outra recomendação é diminuir a frequência de banhos e tosas dos animais em pet shops, optando pela higiene dos animais no próprio domicílio. Durante o momento crítico de propagação do novo coronavírus, aconselha-se que os tutores evitem visitar os animais internados.

Responsabilidade social e ambiental no trato com os animais.


COMPARTILHE: